Na última terça-feira, o Flamengo anunciou a contratação do atacante Marlos Moreno, que vem emprestado pelo Manchester City após passagens também por empréstimo por Girona e Deportivo La Coruña, ambos da Espanha.

O colombiano chega para ser mais uma opção para o técnico Paulo César Carpegiani, principalmente após o doping de Paolo Guerrero - o peruano teve seu contrato suspenso pelo time carioca.

 Marlos Moreno é apresentado no Flamengo por Bandeira de Mello (Foto: Raphael Zarko)

O vínculo do novo reforço dura até 31 de dezembro deste ano

Moreno é mais um gringo para a verdadeira "coleção" de reforços estrangeiros montada pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello em sua gestão, iniciada em janeiro de 2013 e que vai até dezembro deste ano.

De todos os sul-americanos contratados, porém, poucos renderam o esperado, deixando a Gávea pela porta dos fundos.

Relembre os casos:

MARCELO MORENO

O atacante boliviano foi contratado em abril de 2013, nos primeiros meses da gestão Bandeira de Mello.

Ele chegou emprestado pelo Grêmio, com o Fla tendo a opção de compra ao final do ano.

No entanto, jogou muito mal, fazendo apenas quatro gols em 20 partidas. Encerrou a temporada como reserva do também centroavante Hernane "Brocador", mas fez parte do grupo que conquistou a Copa do Brasil em cima do Atlético-PR.

Ao final do empréstimo, foi devolvido ao clube de Porto Alegre.

HÉCTOR CANTEROS

Após se destacar pelo Vélez Sarsfield na Libertadores de 2014, o volante argentino foi contratado em julho do mesmo ano pelo Flamengo, com contrato de três temporadas.

Ao longo de dois anos, teve certa regularidade pela equipe rubro-negra, fazendo 88 partidas e marcando cinco gols, mas sem encantar.

Em 2016, porém, perdeu espaço na Gávea e acabou emprestado duas vezes: primeiro ao Vélez, seu ex-time, e depois para a Chapecoense.

Em Santa Catarina, ele agradou e acertou um novo empréstimo, desta vez até maio de 2018.

LUCAS MUGNI

Argentino Lucas Mugni em sua apresentação no Flamengo, em janeiro de 2014 Gazeta Press

Citado como muitos como a maior decepção gringa da história do Fla, o meia argentino chegou ao Rio de Janeiro em 2014, comprado do Colón por US$ 1,25 milhão (R$ 4 milhões, na cotação atual) e assinando por quatro anos.

Ganhou a camisa 10, mas aparentemente sentiu o peso. Ao todo, fez 39 jogos, marcou cinco gols e virou um dos principais alvos de xingamentos da torcida.

No ano seguinte, foi repassado por empréstimo ao Newell's Old Boys, de seu país. Após agradar, renovou seu vinculo de empréstimo, passando 2016 também na cidade de Rosario.

Após o fim de seu vínculo com o Fla, foi para o pequeno Rayo Majadahonda-ESP, e neste ano acertou com o Everton - não o inglês, mas o do Chile.

PABLO ARMERO

Conhecido pelas danças malucas, o lateral esquerdo colombiano foi contratado pelo clube da Gávea em abril de 2015. Ele veio por empréstimo da Udinese-ITA, que era dona de seus direitos.

Diferentemente dos tempos de Palmeiras, quando teve relativo sucesso, a segunda passagem de Armero pelo futebol brasileiro foi um desastre.

Com atuações tenebrosas, fez apenas cinco partidas pelo Fla, sendo devolvido à Udinese ao final do ano.

Em 2017, passou ainda pelo Bahia, novamente por empréstimo, antes de ser negociado com o América de Cali-COL, sua equipe atual.

PAOLO GUERRERO

Paolo Guerrero atualmente está sem poder atuar após ser pego em doping (Foto: Reprodução)

Após ótima passagem pelo Corinthians, o atacante peruano foi contratado em 29 de maio de 2015 pelo Flamengo, logo após acabar seu contrato com o "Timão".

Até hoje, soma 105 jogos e 42 tentos com a camisa rubro-negra. Seu único título foi o Campeonato Carioca de 2017.

Atualmente, Guerrero vive fase complicada na Gávea. Pego no antidoping em um jogo das eliminatórias com a seleção peruana, teve o contrato suspenso pela equipe carioca.

Pouco antes de seu flagrado, ele havia renovado seu vínculo com o Fla por um salário anual de R$ 13 milhões, um dos maiores do Brasil.

FEDERICO MANCUELLO

Após um ótimo 2015 pelo Independiente-ARG, o volante argentino foi contratado pelo Flamengo em 6 de janeiro de 2016 por US$ 3 milhões (R$ 9,68 milhões, na cotação atual).

Na Gávea, porém, jamais chegou a empolgar como nos tempos de Argentina, e passou longos períodos encostado e apenas esquentando o banco de reservas.

Ao todo, fez 66 jogos e marcou 10 gols pelo Rubro-Negro nas últimas duas temporadas.

Sem espaço no Rio de Janeiro, acabou acertando com o Cruzeiro, que anunciou sua chegada justamente na última terça-feira.

GUSTAVO CUÉLLAR

Após realizar ótima temporada em 2015 pelo Junior Barranquilla-COL, o volante colombiano foi contratado em janeiro de 2016 pelo Flamengo, que pagou R$ 8 milhões por 70% de seus direitos.

Em campo, ganhou a simpatia dos torcedores pela raça e pela boa técnica. No entanto, passou boa parte de 2016 e 2017 como reserva de Márcio Araújo, o que revoltou a maior parte dos fãs rubro-negros.

Ainda assim, ostenta 84 jogos e dois gols marcados com a camisa do Fla.

Com a saída de Márcio Araújo, Cuéllar deve ser titular absoluto, atendendo um desejo antigo dos torcedores. Também tem chances de figurar na seleção colombiana que jogará a Copa do Mundo na Rússia.

ALEJANDRO DONATTI

Ídolo do Rosario Central, o zagueiro argentino foi comprado em julho de 2016 pelo Flamengo por US$ 1,65 milhão (R$ 5,32 milhões, na cotação atual).

Donatti, no entanto, jamais engrenou no Rio de Janeiro.

Ele disputou apenas oito partidas em 2017, sendo cinco pelo Carioca, duas pelo Brasileirão e uma pela Libertadores. No ano anterior, foram apenas três jogos pelo Fla (dois pela Série A e um pela Sul-Americana).

Saiu em junho de 2017, menos de um ano após ser contratado, quando foi vendido ao Tijuana-MEX pelo mesmo valor de sua contratação.

MIGUEL TRAUCO

Após ótima passagem pelo Universitario-PER e pela seleção de seu país, o lateral esquerdo peruano chegou de graça ao Flamengo em 14 de dezembro de 2016.

Em seu primeiro ano de casa, o ala teve desempenho satisfatório, realizando 53 jogos, marcando quatro gols e vencendo a disputa de posição com Renê.

É verdade que passou por um período de instabilidade em setembro, mas não chegou a ficar ameaçado de perder a posição.

Titular também da seleção peruana (pela qual irá disputar a próxima Copa do Mundo), Trauco deve seguir como dono da posição na equipe da Gávea na próxima temporada.

DARÍO CONCA

Conca foi apresentado pelo Flamengo em janeiro de 2017 (Foto: Gazeta Press)

Com certeza o meia argentino foi a maior decepção entre todas as contratações gringas do do Flamengo na era Bandeira de Mello.

Quando chegou, a transferência foi vista como uma jogada perfeita do time carioca, que o resgatou de graça por empréstimo do futebol chinês, tendo apenas que auxiliá-lo em sua recuperação física e bancar parte do salário.

No entanto, Conca jamais chegou a entrar definitivamente em forma, e seu nível técnico não convenceu nenhum dos treinadores do clube em 2017. Com isso, ele atuou meros 27 minutos em três partidas no ano inteiro, sem anotar nenhum gol - e ainda deu mais problemas à diretoria, ao "peitar" o treinador Zé Ricardo e faltar a um treino depois de ser vetado antes de um clássico contra o Botafogo.

Sua saída foi anunciada em 9 de dezembro, após Shanghai SIPG, da China, pedir seu retorno.

ORLANDO BERRÍO

O atacante colombiano foi contratado por R$ 11 milhões (dos quais R$ 4,7 milhões foram pagos em 2017 e R$ 6,3 milhões serão quitados em 2018) no final de janeiro de 2017.

Chegou à Gávea cercado de enorme expectativa após ser um dos heróis da conquista do título da Libertadores de 2016 pelo Atlético Nacional-COL.

No início, teve problemas para se adaptar em campo e teve atuações horríveis, mas foi se recuperando ao longo do ano e se transformou em uma das principais armas do "Urubu" com suas arrancadas pelo lado direito.

Quando vivia bom momento, porém, sofreu uma grave lesão no joelho no final de outubro e terá que ficar oito meses em recuperação, voltando só no meio de 2018.

Dê sua opinião:

Tags