No último domingo, o ex-jogador Iarley esteve em Teresina para dar start ao campeonato interno da Escola de Futebol do Boca Juniors, em Teresina. Na ocasião, o diretor da Escola, Thiago Pereira, também reuniu representantes de outras Escolinhas de Futebol da capital para discutir sobre o campeonato externo que acontece durante o segundo semestre deste ano.

Com dois mundiais, vários títulos e muita história boa para contar, Iarley bateu um papo com os atletas da Escola do Boca. Nascido no interior do Ceará, o ex-atacante começou na base do Ferroviário. Em 2003, já no Paysandu, levou o time à Copa Libertadores da América, onde jogou contra o Boca Juniors na La Bombonera, estádio oficial do time argentino. Iarley fez o gol histórico que marcou a vitória contra a equipe xeneize. No mesmo ano, foi contratado pelo Boca e marcou o gol que definiu a vitória em um clássico contra o River Plate, rival do Boca Juniors.

Iarley visitou a unidade II da Escola do Boca em Teresina, que atualmente conta com três franquias apenas na capital. Depois do bate-papo com pais e alunos, o ex-jogador acompanhou os atletas nos jogos de abertura do campeonato interno. “Disputas como essas são muito importantes para o jogador colocar as habilidades e o que aprendeu nos treinos em prática. É importante sempre buscar se capacitar ainda mais. Foi assim que consegui chegar ao Boca Juniors em 2003 e conquistar tantos títulos”, comenta Iarley.

Após as partidas de abertura, o diretor da Escola reuniu representantes de outra Escolinhas de Teresina para a primeira reunião sobre o campeonato externo que acontece em parceria com a Mavelu Sports. “Nesse momento, as Escolinhas precisam unir as forças para que os nossos atletas se profissionalizem e possam representar o futebol piauiense, levando o nome do nosso estado para outras competições”, afirma Thiago Pereira.

Durante a reunião, os representantes ficaram a par das definições do campeonato e ex-jogador Iarley também participou com conselhos e sugestões para a construção de um torneio que seja enriquecedor e impulsione os atletas do nosso estado a alçarem voo por outros locais do Brasil. “Essa rixa entre as escolinhas não deve mais existir. Vamos jogar limpo. Juntos, somos mais fortes”, finaliza o diretor.

Dê sua opinião:

Tags